Resenha: Juntos para sempre – W. Bruce Cameron

Continuação do livro “Quatro vidas de um cachorro” sucesso já adaptado aos cinemas.

 

O livro

Continuação da obra Quatro vidas de um cachorro e mantendo o gênero de romance americano, o autor W. Bruce Cameron parte da continuidade da vida de Amigão, após a morte de Ethan no fim do livro anterior. Seguindo o mesmo tom de envolvimento e pensamento do cachorro protagonista, segue-se uma nova história, com mais três vidas e infinitamente ligado a tudo o que já foi contado.

Publicado novamente pela Harper Collins e traduzido por Carolina Caires Coelho, A Dog’s Journey ou Juntos para Sempre na edição brasileira de 2018, possui cerca de 320 páginas e um copyright de 2012, entendendo-se que se esperou que o filme de 2016 baseado no livro anterior, fizesse sucesso para dar continuidade nas publicações – em 2019 já tem previsão de sequência cinematográfica para esta história.

Sobre a obra

Parte-se do que aconteceu após a morte de Ethan. Amigão, um labrador preto, permanece com Hannah, até que sua velhice e um câncer, chega para lavá-lo deste mundo, fazendo o cachorro crer finalmente, que sua missão com o “seu menino” havia chegado ao fim e, portanto, agora ele descansaria. Antes de morrer porém, Amigão convive com Clarity, uma pequena garota (com no máximo 2 anos de idade) neta de Hannah, e da qual o cachorro se sente responsável.

Clarity é uma garota, agora adolescente, bem problemática, com uma mãe que além de não gostar de cachorros, é mais problemática ainda – chamada Glória. O enredo também possui como participante humano, o amigo de Clarity, Trent, ao qual o cachorro gosta muito.

Tendo um apelo mais dramático para o lado humano e não canino da história, todas as vidas do amável cão, giram de um forma ou outra, em torno de Clarity e seus problemas constantes, começando já como “Bigão” – maneira carinhosa como a menina o chamava quando se conheceram na fazenda e ela ainda mal falava.

Na primeira vida após Amigão, tem-se a Molly. Por ser um vira-lata (mistura de Poodle com alguma outra raça desconhecida, porém grande) a cadelinha recém-nascida vai parar aos cuidados de uma senhora que trata s ela e seu irmão até que possam ser adotados. Molly vai parar com Clarity, e seu irmão, com Trent. Nesta vida, o cão descobre os reais perigos que os humanos podem representar e suas inconstâncias.

Em uma morte conturbada, Molly retorna agora como Max, outro vira-lata, de provável mistura entre Chihuahua com York Shire, e novamente está para adoção. A vida de Clarity continua parecendo uma catástrofe, e seu tamanho agora como Max,  não permite cuidar da sua garota como antes, e Max precisa aprender a seguir seu propósito de vida sendo uma miniatura de cachorro brabo.

Por fim, em sua última vida, ele se torna um Beagle chamado Toby. O nome, igual ao dado a ele em sua primeira vida, o remete novamente ao fim de um ciclo, e ao cumprimento de seu propósito como o cachorro bonzinho de Ethan e depois o companheiro fiel de Clarity.

Minha opinião

É uma história tão linda que eu praticamente devorei este livro, lendo-o em 24 horas! O drama envolvendo mais a vida da dona do que a vida do cachorro, não desmerece a atual história ou o enredo anterior, mas trata o aprendizado do cachorro de uma maneira diferente, por exemplo, na primeira trama ele aprendia a amar, sentar e salvar, e agora, toda a complexidade dos problemas, as doenças que afetam as pessoas e os conflituosos sentimentos precisam ser distinguidos para que ele possa ser o cachorro amigo que sua dona precisa.

Um fato que notei ser comum no livro e que divide opiniões na realidade é a eutanásia. A história trata este ato como carinho do dono para com seu animalzinho, como meio de abrandar a passagem do animal e acabar com um sofrimento inevitável. Fora a questão da classificação para os cachorros que estão em abrigos e acabam por ser sacrificados por não serem considerados “adotáveis”.

Com certeza esta duologia entrará na minha lista de livros que mais gostei de ler e certamente também de livros que pretendo reler, apesar do segundo livro (este) me dar a sensação de erros de concordância e pontuações em algumas partes da tradução, que incomodam um pouco a leitura.

Juntos para sempre (2)

 

O autor

Bruce Cameron vive em Los Angeles, Califórnia. É um escritor, colunista e humorista que viu seu trabalho ser rejeitado por muitos anos até que Quatro vidas de um cachorro foi publicado e se manteve dezenove semanas na lista de Best-Sellers do New York Times. Cameron também participou dos bastidores da filmagem do filme inspirado no seu primeiro livro, e tudo indica que nas filmagens desta sequência, sua participação vai se repetir.

Resenha: Quatro vidas de um cachorro – W. Bruce Cameron

O livro que inspirou o filme!

O livro

Quatro vidas de um cachorro ou A Dog’s Purpose pelo título original é uma criação de W. Bruce Cameron, no ano de 2010, mas que ficou mundialmente conhecido a partir do ano de 2016 através de um filme baseado neste livro. A edição que possuo é a de 2016, com a capa do filme ao invés da capa original do livro. A publicação desta história foi realizada pela editora Harper Collins com um excelente material – como já é característico da editora – e o livro de 285 páginas foi traduzido por Regina Lyra e faz o gênero de romance americano apesar de contar a história de um cachorro.

Sobre a obra

Quatro vidas de um cachorro é uma história de certa forma inspiradora e muito emocionante, além de original já que tudo é narrado por um cachorro. Acompanhamos este cachorro em quatro vidas diferentes, do nascimento a morte, sofrendo e amando junto com este olhar canino sobre os humanos e a busca pelo seu propósito de vida.

A primeira vida deste cachorro não é fácil. Ele é um vira-lata que nasceu nas ruas e precisa aprender a se virar. Acaba por ser acolhido por um senhora que o chamou de Toby, mas que infelizmente, como é a realidade de quem acolhe muitos cachorros de rua sem um apoio estrutural e financeiro maior, não tinha muitas condições de criá-lo – a ele ou aos outros.

A segunda vida é marcada com muito amor, carinho, dedicação e aventuras. Toby, agora um Golden Retriever, se torno Bailey. O cachorro é criado por um menino chamado Ethan e os dois ficam inseparáveis até a morte de Bailey, já idoso. Ao final desta segunda vida, há o seguinte trecho em que o veterinário conversa com o cachorro:

“Você pode se entregar, Bailey, Você fez um ótimo trabalho, cuidou do menino. Essa era a sua função, Bailey, e você se saiu muito bem. Você é um bom cachorro, um cachorro muito bom.

Tive a sensação de que o moço bonzinho falava da morte.”

Pensando então que seu propósito estava cumprido, como disse o veterinário, Toby/Bailey renasce novamente, mas agora como Ellie, uma Pastor Alemão que cresceu sendo treinada para trabalhar com policiais no resgate de vitimas. Ellie terá uma boa vida, será bem cuidada e além de salvar vitimas no seu trabalho, também terá o papel funcional na vida de sua dona e policial.

Novamente, sem entender o porquê de estar nascendo novamente, Toby/Bailey/Ellie retorna como um labrador preto com predigree, que foi comprado de presente a uma mulher que o nomeou de Urso. Todavia, a mesma não podia ficar com o animal e o deixou na casa de sua mãe, onde ele não era desejado e assim foi abandonado. A partir daí, ele entende que seu propósito de vida é cuidar de Ethan, e embarca numa busca pelo menino que já não é mais um menino.

Quatro vidas de um cachorro

Livro: Quatro vidas de um cachorro Foto: @literalmenteadicto

Minha opinião

Para quem já viu o filme e está lendo esta resenha, notará algumas diferenças que não estragam ou melhoram nenhum ou outro. Claro que todo o contexto e essência são os mesmos, mas criou-se uma originalidade tanto para o filme como para o livro, que é impossível dizer qual dos dois é o melhor. Quatro vidas de um cachorro é simplesmente uma história incrível.

Seja como Toby, Bailey, Ellie ou Urso a maneira divertida como o cachorro enxerga os humanos, o amor e fidelidade que é capaz de sentir, ou dores que é capaz de sofrer, tornam esta história uma leitura obrigatória para quem tem um animal de estimação (ou já teve). Ainda ouso dizer que apesar de tudo, um cachorro ou qualquer outro animalzinho, pode ao mesmo tempo em que é amado, como o livro demonstra, sofrer nas mãos dos humanos tendo um “lar” muito mais do que sofrer nas ruas com o abandono.

É possível rir e chorar com este livro, e por isso eu o considero extremamente bom, fora que nesta narrativa, sabemos apenas o pensamento do cachorro, não havendo “conversas” de cachorros com cachorros ou outros animais, ou seja, sai do padrão mais infantil de animais falantes para um pura e simples consciência narrando seu aprendizado, suas curiosidades, e seus questionamentos, através de seu próprio raciocínio. A exemplo disto, é quando o cachorro como Bailey, precisa aprender onde deve e onde não fazer suas necessidades.

O autor

Bruce Cameron é colunista de humor e já teve seu trabalho premiado duas vezes. Vive na Califórnia e tentou por muitos anos, publicar uma história sua, tendo muitos de seus livros rejeitados por editoras até conseguir emplacar este. W. Bruce Cameron também é autor de “Juntos para Sempre” que é a continuação desta história.

Ao final dos agradecimentos deste livro, Cameron deixa uma mensagem que eu gostaria de registrar aqui:

“[…] louvo o sacrifício e o infindável trabalho duro dos vários homens e mulheres que labutam no resgate de animais, ajudando os perdidos, os abandonados e os maltratados a descobrirem vidas novas e felizes com famílias amorosas. Vocês todos são anjos.”

 

Resenha: Noturno – Scott Sigler

O livro

De gênero I. Ficção norte-americana e II. Homicídio – investigação, Noturno ou Nocturnal no título original, escrito por Scott Sigler, é uma obra de 512 páginas, traduzida por Eduardo Alves e com publicação em capa dura pela Darkside Books, em 2017 mas com copyright de 2012.

Sobre a obra

Em Noturno, acompanhamos uma saga do policial Bryan Clauser em busca do “seu ser”, juntamente com seu parceiro Pookie Chang. Além dos dois policiais, ainda temos um time de coadjuvantes maravilhosos e bem inseridos na história como a médica-legista Robbin e o detetive John que possui o apelido mais engraçado e referenciado que existe na trama. Isso, sem contar uma série de outros personagens que fazem o enredo se tornar mais vivo, eletrizante, ativo. Como em toda boa história policial, há os mocinhos, os malvados, os conflitos de lei e de moral e o casal que você torce pra dar certo.

Noturno, portanto, é uma história que envolve um pouco de realidade, se passando na cidade de São Francisco, que busca alguns pontos essenciais e reais, principalmente nas características mais fortes dos detetives, e de todo o pessoal envolvido em uma cena de crime, como os peritos, por exemplo, e ainda assim, mescla essa realidade com uma ficção criativa, que busca te introduzir no caso com os detetives, porém lançando pistas ao leitor, que no momento não parecem pistas, apenas fatos isolados como testes a leitura, porém nada convencionais.

Minha opinião

Noturno é o livro que me apresentou a escrita de Scott Sigler, que por sinal, é muito boa. O autor escreve com relevância e propriedade de dados, como consultar procedimentos policiais, consultar mapas da cidade na qual seu enredo se desenvolve, e consultar as pessoas que possuem alguma propriedade sobre um determinado tema que surgirá em seu livro, o que é um embasamento muito próprio e digno para suas criações, bem como para criar qualquer outra ficção paralela com a realidade.

Acredito que eu não tenha considerado uma leitura “incrível” porque não estava muito aberta a proposta, principalmente o desenrolar final, todavia, este livro não deixa de ser uma boa obra de Scott Sigler, de adequada premissa, que me envolveu em muitos aspectos, mas que não me causou muito ódio aos vilões ou muito amor pelos mocinhos, mas que deixou a vontade de conhecer mais do autor. Eu simpatizei de primeira com alguns personagens e torcia por eles até o final do livro, mesmo que o meu desejo de futuro para os mesmos não tenha sido a mesma ideia que a do autor.

Enfim, é uma boa leitura de mescla policial com um tipo de terror monstruoso, fácil de ler, fácil de entender, que te introduz nas cenas, mas que em alguns momentos eu achei um pouco tedioso, talvez porque policial não seja o meu gênero literário favorito.

O autor

Scott Carl Sigler nasceu em 30 de dezembro de 1969 em Cheboygan, Michigan, EUA. É autor de diversos outros livros, contos e novelas, sendo considerado um autor contemporâneo do gênero de ficção científica e horror.

Resenha: Quem é você Alasca? – John Green

O livro

Como primeiro romance e ficção americana Looking for Alaska, escrito e publicado em 2005, o autor John Green adentra os corações literários. A edição que possuo é de 2014, e contém um “extras” sobre a história, onde após oito anos de vendas do título, John Green responde a perguntas de fãs reais sobre a história. A publicação ficou a cargo da Intrínseca, com tradução de Edmundo Barreiros e possui 272 páginas.

Sobre a obra

A narrativa do livro fica a cargo da visão adolescente e um tanto filosófico de Miles Halter, ou Bujão, como foi apelidado posteriormente. Miles é um garoto nerd e sem amigos que mora na Flórida, além de aficionado por últimas palavras de pessoas conhecidas, e é através destas palavras que o garoto resolve estudar em um colégio interno, chamado Culver Creek – lugar onde seu pai também estou no ensino médio.

Chegando em Culver Creek, Miles conhece Chip Martin – ou Coronel – seu colega de quarto, além de fazer amizades com os outros veteranos da escola: Alasca Young, Takumi Hikohito e Lara Buterskaya. Cada um deles tem padrões de vida, histórias e origens diferentes que acaba os unindo em suas adversidades.

A história é cheia de acontecimentos entre os amigos e os demais alunos da escola, tendo uma divisão de antes e depois de um determinado fato importante da trama, e possuir a perspectiva de Miles sobre os acontecimentos traz mais apego com a história, pois a leitura e o enredo, se desenvolve conforme o adolescente também se desenvolve e se situa  no contexto.

Minha opinião

É difícil falar de um livro como este sem acabar contando partes da história, mas acredito que como muitos outros leitores, só fui descobrir a capacidade de Quem é você Alasca? Após ler A culpa é das estrelas em 2014. Quatro anos após o primeiro contato, releio este livro por 1) fazer resenha e 2) reler a história mesmo, pois além de bem escrito, com passagem de tempos claras, mas não diretas, a mim, houve certo apego com os personagens e concordância com algumas passagens mais filosóficas que fazem parte da personalidade do narrador.

O autor

É um dos autores atuais mais bem vistos pela critica e pelos leitores, com bons títulos lançados entre eles “A culpa é das estrelas”, “O Teorema de Katherine” e “Cidades de Papel”. Desde seu lançamento no mundo literário, John Green ganhou muitos prêmios por reconhecimento do seu trabalho. John Green é casado e possui dos filhos.

Sua opinião

“Primeira cerveja; Primeiro trote; Primeiro amigo; Primeiro amor;”

Para Bujão a chegada na Creek trouxe tudo isso de uma só vez, e pra você?

Resenha: Garoto 21 – Matthew Quick

Do mesmo autor de O Lado Bom da Vida

O livro

Garoto 21 – ou Boy 21 pelo título original – é uma história de Matthew Quick, publicada pela Editora Intrinseca e edição de 2016. É uma ficção americana que gira em torno de um garoto, jogador de basquete, e se divide em três partes: Pré-temporada; Temporada; e Erin. É um livro de tamanho “normal” contendo 272 páginas de uma boa história.

É possível resumir Garoto 21 como uma história sobre amizade, sobre família, sobre apoio. O enredo se passa na visão de Finley, um garoto de 17 anos que mora com o pai e o avô sendo este último, um deficiente físico que depende do pai de Finley e do próprio Finley pra fazer as coisas básicas do dia; O garoto também namora desde criança uma garota chamada Erin, a quem ele é apaixonadíssimo. Os dois jogam em times de basquete da escola, e querem muito sair da cidade onde moram, por causa da violência tão potencializada na área em que vivem, tendo o próprio irmão de Erin, como um dos “bandidos” da área.

Sobre a obra

A vida de Finley e de Erin acaba mudando quando o treinador do time dele pede para que Finley seja amigo de outro garoto de 17 anos – Russ – que se mudou para a cidade após seus pais serem mortos em um assalto na Califórnia. Russ é excelente jogador de basquete e possui algumas semelhanças com Finley – os dois são armadores e os dois usam o número 21 na camisa do time – mas essas semelhanças vão além, e se desenvolvem na história de uma maneira meio previsível, mas mesmo assim, com detalhes inesperados.

Finley, que é um garoto quieto, que tem que aprender a lidar com muitos sentimentos, como a incerteza, a inveja até, e o egoísmo tendo em paralelo outros sentimentos como amor de amizade e a vontade/necessidade de abrir mão de algumas coisas de si, para a felicidade alheia.

A amizade com Russ (considerado como uma promessa para o basquete) surge conforme Finley vai entendendo o que aconteceu consigo e sua família, e vai ajudando Russ a lidar com a morte dos pais – Russ sugere que seus pais estão no espaço e que virão buscá-lo, uma vez que ele é um extraterrestre. Além desse novo garoto e dessa nova amizada, Finley tem que lidar com a vida em uma cidade violenta, e com sua namorada, que tem seus próprios problemas.

Minha opinião

É uma história no estilo clássico de Mathew Quick, e se você já leu O Lado Bom da Vida, pode perceber semelhanças na escrita, mas a história é super bonitinha, envolta não tanto no romance do Finley e Erin, mas sim na vida de Finley mesmo e como ele lida com essa nova amizade em um lugar tão inseguro, como Bellmont.

As divisões do livro (pré-temporada, temporada e Erin), são modos temporais focados, que vem acompanhado de frases, que no primeiro momento que as li, não vimos muito sentido, mas dentro do contexto de cada parte, fazem sentido, como se fossem uma ideia geral do que você irá ler a seguir, e isso realmente me surpreendeu pela criatividade e pela assertividade.

Sobre o autor

Matthew Quick ficou conhecido quando escreveu o livro O Lado Bom da Vida, que originou o filme estrelado por Jennifer Lawrence e Bradley Cooper em 2012. Outros livros do autor também conhecidos são: “A sorte do agora” de 2014 e “Quase uma Rockstar” de 2015. M. Quick é um professor americano, que largou a profissão para viver da escrita, e assim, nos honra com boas histórias.

Sua opinião

Você já leu este livro? Conta pra mim se ele está na sua lista de leituras desejadas ou já lidas, e se já leu, o que achou.