Quem é você Alasca? – John Green

O livro

Como primeiro romance e ficção americana Looking for Alaska, escrito e publicado em 2005, o autor John Green adentra os corações literários. A edição que possuo é de 2014, e contém um “extras” sobre a história, onde após oito anos de vendas do título, John Green responde a perguntas de fãs reais sobre a história. A publicação ficou a cargo da Intrínseca, com tradução de Edmundo Barreiros e possui 272 páginas.

Sobre a obra

A narrativa do livro fica a cargo da visão adolescente e um tanto filosófico de Miles Halter, ou Bujão, como foi apelidado posteriormente. Miles é um garoto nerd e sem amigos que mora na Flórida, além de aficionado por últimas palavras de pessoas conhecidas, e é através destas palavras que o garoto resolve estudar em um colégio interno, chamado Culver Creek – lugar onde seu pai também estou no ensino médio.

Chegando em Culver Creek, Miles conhece Chip Martin – ou Coronel – seu colega de quarto, além de fazer amizades com os outros veteranos da escola: Alasca Young, Takumi Hikohito e Lara Buterskaya. Cada um deles tem padrões de vida, histórias e origens diferentes que acaba os unindo em suas adversidades.

A história é cheia de acontecimentos entre os amigos e os demais alunos da escola, tendo uma divisão de antes e depois de um determinado fato importante da trama, e possuir a perspectiva de Miles sobre os acontecimentos traz mais apego com a história, pois a leitura e o enredo, se desenvolve conforme o adolescente também se desenvolve e se situa  no contexto.

Minha opinião

É difícil falar de um livro como este sem acabar contando partes da história, mas acredito que como muitos outros leitores, só fui descobrir a capacidade de Quem é você Alasca? Após ler A culpa é das estrelas em 2014. Quatro anos após o primeiro contato, releio este livro por 1) fazer resenha e 2) reler a história mesmo, pois além de bem escrito, com passagem de tempos claras, mas não diretas, a mim, houve certo apego com os personagens e concordância com algumas passagens mais filosóficas que fazem parte da personalidade do narrador.

O autor

É um dos autores atuais mais bem vistos pela critica e pelos leitores, com bons títulos lançados entre eles “A culpa é das estrelas”, “O Teorema de Katherine” e “Cidades de Papel”. Desde seu lançamento no mundo literário, John Green ganhou muitos prêmios por reconhecimento do seu trabalho. John Green é casado e possui dos filhos.

Sua opinião

“Primeira cerveja; Primeiro trote; Primeiro amigo; Primeiro amor;”

Para Bujão a chegada na Creek trouxe tudo isso de uma só vez, e pra você?

Garoto 21 – Matthew Quick

Do mesmo autor de O Lado Bom da Vida

 

 

O livro

Garoto 21 – ou Boy 21 pelo título original – é uma história de Matthew Quick, publicada pela Editora Intrinseca e edição de 2016. É uma ficção americana que gira em torno de um garoto, jogador de basquete, e se divide em três partes: Pré-temporada; Temporada; e Erin. É um livro de tamanho “normal” contendo 272 páginas de uma boa história.

É possível resumir Garoto 21 como uma história sobre amizade, sobre família, sobre apoio. O enredo se passa na visão de Finley, um garoto de 17 anos que mora com o pai e o avô sendo este último, um deficiente físico que depende do pai de Finley e do próprio Finley pra fazer as coisas básicas do dia; O garoto também namora desde criança uma garota chamada Erin, a quem ele é apaixonadíssimo. Os dois jogam em times de basquete da escola, e querem muito sair da cidade onde moram, por causa da violência tão potencializada na área em que vivem, tendo o próprio irmão de Erin, como um dos “bandidos” da área.

Sobre a obra

A vida de Finley e de Erin acaba mudando quando o treinador do time dele pede para que Finley seja amigo de outro garoto de 17 anos – Russ – que se mudou para a cidade após seus pais serem mortos em um assalto na Califórnia. Russ é excelente jogador de basquete e possui algumas semelhanças com Finley – os dois são armadores e os dois usam o número 21 na camisa do time – mas essas semelhanças vão além, e se desenvolvem na história de uma maneira meio previsível, mas mesmo assim, com detalhes inesperados.

Finley, que é um garoto quieto, que tem que aprender a lidar com muitos sentimentos, como a incerteza, a inveja até, e o egoísmo tendo em paralelo outros sentimentos como amor de amizade e a vontade/necessidade de abrir mão de algumas coisas de si, para a felicidade alheia.

A amizade com Russ (considerado como uma promessa para o basquete) surge conforme Finley vai entendendo o que aconteceu consigo e sua família, e vai ajudando Russ a lidar com a morte dos pais – Russ sugere que seus pais estão no espaço e que virão buscá-lo, uma vez que ele é um extraterrestre. Além desse novo garoto e dessa nova amizada, Finley tem que lidar com a vida em uma cidade violenta, e com sua namorada, que tem seus próprios problemas.

Minha opinião

É uma história no estilo clássico de Mathew Quick, e se você já leu O Lado Bom da Vida, pode perceber semelhanças na escrita, mas a história é super bonitinha, envolta não tanto no romance do Finley e Erin, mas sim na vida de Finley mesmo e como ele lida com essa nova amizade em um lugar tão inseguro, como Bellmont.

As divisões do livro (pré-temporada, temporada e Erin), são modos temporais focados, que vem acompanhado de frases, que no primeiro momento que as li, não vimos muito sentido, mas dentro do contexto de cada parte, fazem sentido, como se fossem uma ideia geral do que você irá ler a seguir, e isso realmente me surpreendeu pela criatividade e pela assertividade.

Sobre o autor

Matthew Quick ficou conhecido quando escreveu o livro O Lado Bom da Vida, que originou o filme estrelado por Jennifer Lawrence e Bradley Cooper em 2012. Outros livros do autor também conhecidos são: “A sorte do agora” de 2014 e “Quase uma Rockstar” de 2015. M. Quick é um professor americano, que largou a profissão para viver da escrita, e assim, nos honra com boas histórias.

Sua opinião

Você já leu este livro? Conta pra mim se ele está na sua lista de leituras desejadas ou já lidas, e se já leu, o que achou.