Resenha: Noturno – Scott Sigler

O livro

De gênero I. Ficção norte-americana e II. Homicídio – investigação, Noturno ou Nocturnal no título original, escrito por Scott Sigler, é uma obra de 512 páginas, traduzida por Eduardo Alves e com publicação em capa dura pela Darkside Books, em 2017 mas com copyright de 2012.

Sobre a obra

Em Noturno, acompanhamos uma saga do policial Bryan Clauser em busca do “seu ser”, juntamente com seu parceiro Pookie Chang. Além dos dois policiais, ainda temos um time de coadjuvantes maravilhosos e bem inseridos na história como a médica-legista Robbin e o detetive John que possui o apelido mais engraçado e referenciado que existe na trama. Isso, sem contar uma série de outros personagens que fazem o enredo se tornar mais vivo, eletrizante, ativo. Como em toda boa história policial, há os mocinhos, os malvados, os conflitos de lei e de moral e o casal que você torce pra dar certo.

Noturno, portanto, é uma história que envolve um pouco de realidade, se passando na cidade de São Francisco, que busca alguns pontos essenciais e reais, principalmente nas características mais fortes dos detetives, e de todo o pessoal envolvido em uma cena de crime, como os peritos, por exemplo, e ainda assim, mescla essa realidade com uma ficção criativa, que busca te introduzir no caso com os detetives, porém lançando pistas ao leitor, que no momento não parecem pistas, apenas fatos isolados como testes a leitura, porém nada convencionais.

Minha opinião

Noturno é o livro que me apresentou a escrita de Scott Sigler, que por sinal, é muito boa. O autor escreve com relevância e propriedade de dados, como consultar procedimentos policiais, consultar mapas da cidade na qual seu enredo se desenvolve, e consultar as pessoas que possuem alguma propriedade sobre um determinado tema que surgirá em seu livro, o que é um embasamento muito próprio e digno para suas criações, bem como para criar qualquer outra ficção paralela com a realidade.

Acredito que eu não tenha considerado uma leitura “incrível” porque não estava muito aberta a proposta, principalmente o desenrolar final, todavia, este livro não deixa de ser uma boa obra de Scott Sigler, de adequada premissa, que me envolveu em muitos aspectos, mas que não me causou muito ódio aos vilões ou muito amor pelos mocinhos, mas que deixou a vontade de conhecer mais do autor. Eu simpatizei de primeira com alguns personagens e torcia por eles até o final do livro, mesmo que o meu desejo de futuro para os mesmos não tenha sido a mesma ideia que a do autor.

Enfim, é uma boa leitura de mescla policial com um tipo de terror monstruoso, fácil de ler, fácil de entender, que te introduz nas cenas, mas que em alguns momentos eu achei um pouco tedioso, talvez porque policial não seja o meu gênero literário favorito.

O autor

Scott Carl Sigler nasceu em 30 de dezembro de 1969 em Cheboygan, Michigan, EUA. É autor de diversos outros livros, contos e novelas, sendo considerado um autor contemporâneo do gênero de ficção científica e horror.

Resenha: Box Sherlock Holmes – Arthur Conan Doyle

O box

O box traz a literatura completa de Sherlock Holmes, escrita por Arthur Conan Doyle. É dividido em quatro livros, sendo todos em capa dura (inclusive a caixa), o que dá um peso de mais ou menos três quilos ao todo e mil oitocentas e oito páginas. Esta edição pertence a Harper Collins, que não poupou suas capacidades para tornar este conjunto, uma boa leitura, deixando as histórias bem divididas e não sendo maçante nenhuma das leituras.

Todavia, o nível de qualidade dos enredos acaba por ir minguando aos poucos, sendo: o primeiro livro complexo no que tange o entendimento de quem é e todas as capacidades de Holmes; o segundo buscando um alto nível de complexidade de dados para que o leitor tenha dificuldade de aplicar os métodos e solucionar os casos antes do fim da história; o terceiro tentando manter um nível equilibrado com os anteriores, com bons casos, mas com soluções já mais básicas; e por fim, o quarto livro, onde com um pouquinho de atenção aos detalhes e imaginação, já se torna possível criar hipóteses juntamente com o andamento da história.

Descrição da editora:

“Em 1887, o escritor escocês sir Arthur Conan Doyle criou Sherlock Holmes, o infalível detetive a quem os agentes da Scotland Yard recorriam para solucionar os mistérios mais intrigantes da Inglaterra vitoriana. Desde então, as aventuras do mestre da investigação atraem leitores ávidos por chegar à última página e ter o enigma desvendado. Esta obra completa reúne os quatro romances e os 56 contos sobre as aventuras do detetive mais famoso do mundo e de seu fiel companheiro dr. Watson. Para desvendar mistérios, o faro e a astúcia de Sherlock Holmes levam às fontes menos óbvias, às informações mais precisas. Um modelo que influencia até hoje a literatura policial e revela fôlego para impressionar gerações de leitores através do tempo.”

A divisão nos livros fica a seguinte:

  • Volume I (verde- 512 páginas) contém dois romances e onze contos

Divido em “Um estudo em vermelho” (1887 – primeira e segunda parte), “O sinal dos quatro(1890) e “As aventuras de Sherlock Holmes” (1892) o livro começa apresentando ao leitor quem é o Dr. Watson, e como ele acabou por conhecer Sherlock Holmes. Traz casos que realmente não parecem ter solução até que sir Holmes apresente sua base de fatos e deduções para aquelas conclusões, tendo um nível de envolvimento alto, pois como são histórias  narradas pelo Dr. Watson, a apresentação dos dados, é exibida conforme vai se desvendando.  A apresentação dos romances, possui uma narrativa própria, apresentando uma alteração no modo como a história é contada.

P_20190202_185837

Sherlock Holmes Vol. 1 – Harper Collins @literalmenteadicto

  • Volume II (azul – 400 páginas) contém onze contos e um romance

Apresentado através da divisão “Memórias de Sherlock Holmes” (1894) e “O cão dos Baskerville” (1902) tem-se um acontecimento inesperado para os leitores de A. C. Doyle: o desaparecimento de Holmes em meio a uma fuga da morte ao qual o detetive se envolveu, uma vez que estava atrás do mais criminoso de Londres, deixando a entender que chegara o final dos contos e romances. A trama toda possui um alto nível de complexidade e detalhes que torna de certa forma, mais complexo a tentativa do leitor de elucidar os casos conforme as informações vão surgindo.

P_20190202_190010

Sherlock Holmes Vol. 2 – Harper Collins @literalmenteadicto

  • Volume III (amarelo – 472 páginas) contém treze contos e um romance

“A volta de Sherlock Holmes” (1905) e “O vale do medo” (1915) (este último contendo primeira e segunda parte), soluciona o mistério que o livro anterior deixou sobre a possível morte de Holmes. Metade do livro são contos que envolvem a sua volta a Baker Street, e a outra metade é um conto cheio de excentricidades, que não poderia ter mais alterações ou cursos diversos, possíveis! Este terceiro livro, ou esta continuação de contos, somente se deu por vontade do público leitor de A. C. Doyle, que queriam saber mais sobre o detetive e sobre os acontecimentos de seu desaparecimento.

P_20190202_190034

Sherlock Holmes Vol. 3 – Harper Collins @literalmenteadicto

  • Volume IV (vermelho- 424 páginas) contém vinte contos

Se divide em “Os últimos casos de Sherlock Holmes” (1917) e “Histórias de Sherlock Hokmes” (1927), sendo a primeira parte, contos que se passara após a aposentadoria de Holmes, onde o mesmo se mudou para uma casa reclusa nos morros, e vive de tentar narrar suas próprias aventuras e criar abelhas. Nestes contos, lemos algumas investigações que Holmes participou após sair de Baker Street, e antes de se aposentar definitivamente por conta da idade avançada. Já na segunda parte de contos, é apresentado ao leitor, as investigações que conforme a narrativa do próprio Dr. Watson, não podiam na época que ocorridas, serem publicados, e portanto, são apenas memórias de casos. Neste livro, Arthur Conan Doyle prepara o leitor para o fim do detetive Sherlock Holmes, e nota-se que as histórias por mais que ainda sejam boas, não atingem mais o mesmo nível de mistério e soluções mirabolantes, ficando mais previsíveis, o que demonstra o desejo do escritor em parar de escrever sobre.

P_20190202_190105

Sherlock Holmes Vol. 4 – Harper Collins @literalmenteadicto

Tanto os contos de Sherlock Holmes, como as histórias possuem o mérito de serem lidas mesmo com o passar do tempo, e apesar de se passaram por volta de 1890 em uma Londres com carruagens e charretes, não há uma escrita pesada, e a complexidade dos casos ao qual nosso querido detetive se envolve é fascinante. Ao terminar as leituras fiquei pensando em como seria Sir Sherlock Holmes, com toda sua elegância, ar de superioridade e memória seletiva, nos dias atuais.

O autor

Citarei a nota que aparece em todos os livros desde box pois compila de maneira clara, objetiva e concisa quem foi o criador destas histórias incríveis.

“Arthur Conan Doyle nasceu em 22 de maio de 1859, em Edimburgo, capital da Escócia. Em 1876, ingressou na Universidade de Edimburgo, no curso de medicina. Foi lá que conheceu o dr. Joseph Bell, cujos surpreendentes métodos de dedução e análise foram de grande influência na futura criação de seu detetive.

Além do dr. Bell, Doyle se inspirou em Émile Gaboriau e no detetive Dupin – de Edgar Alan Poe – para conceber a primeira versão do que seria o personagem que conhecemos hoje: um tal de Sherringford Holmes, posteriormente Sherlock Holmes.

Depois de muitas tentativas e frustrações, em 1887 Doyle conseguiu que sua primeira história com o detetive, Um estudo em vermelho, fosse publicada. A boa aceitação do público o levou a escrever a segunda história de Holmes, O sinal dos quatro.

Doyle acabou abandonando a medicina para segui definitivamente a carreira literária. As histórias de Sherlock Holmes tornaram-se mais e mais populares, obrigando o autor a continuar criando casos para seu detetive. E, quanto mais Holmes expunha suas habilidades para um público estupefato, mais obscurecidas ficavam as outras obras de Doyle.

[…] Debilitado por um ataque cardíaco, sir Arthur Conan Doyle morreu em 7 de julho de 1930, em Crowborough, condado de Sussex, na Inglaterra. “