Resenha: Noturno – Scott Sigler

O livro

De gênero I. Ficção norte-americana e II. Homicídio – investigação, Noturno ou Nocturnal no título original, escrito por Scott Sigler, é uma obra de 512 páginas, traduzida por Eduardo Alves e com publicação em capa dura pela Darkside Books, em 2017 mas com copyright de 2012.

Sobre a obra

Em Noturno, acompanhamos uma saga do policial Bryan Clauser em busca do “seu ser”, juntamente com seu parceiro Pookie Chang. Além dos dois policiais, ainda temos um time de coadjuvantes maravilhosos e bem inseridos na história como a médica-legista Robbin e o detetive John que possui o apelido mais engraçado e referenciado que existe na trama. Isso, sem contar uma série de outros personagens que fazem o enredo se tornar mais vivo, eletrizante, ativo. Como em toda boa história policial, há os mocinhos, os malvados, os conflitos de lei e de moral e o casal que você torce pra dar certo.

Noturno, portanto, é uma história que envolve um pouco de realidade, se passando na cidade de São Francisco, que busca alguns pontos essenciais e reais, principalmente nas características mais fortes dos detetives, e de todo o pessoal envolvido em uma cena de crime, como os peritos, por exemplo, e ainda assim, mescla essa realidade com uma ficção criativa, que busca te introduzir no caso com os detetives, porém lançando pistas ao leitor, que no momento não parecem pistas, apenas fatos isolados como testes a leitura, porém nada convencionais.

Minha opinião

Noturno é o livro que me apresentou a escrita de Scott Sigler, que por sinal, é muito boa. O autor escreve com relevância e propriedade de dados, como consultar procedimentos policiais, consultar mapas da cidade na qual seu enredo se desenvolve, e consultar as pessoas que possuem alguma propriedade sobre um determinado tema que surgirá em seu livro, o que é um embasamento muito próprio e digno para suas criações, bem como para criar qualquer outra ficção paralela com a realidade.

Acredito que eu não tenha considerado uma leitura “incrível” porque não estava muito aberta a proposta, principalmente o desenrolar final, todavia, este livro não deixa de ser uma boa obra de Scott Sigler, de adequada premissa, que me envolveu em muitos aspectos, mas que não me causou muito ódio aos vilões ou muito amor pelos mocinhos, mas que deixou a vontade de conhecer mais do autor. Eu simpatizei de primeira com alguns personagens e torcia por eles até o final do livro, mesmo que o meu desejo de futuro para os mesmos não tenha sido a mesma ideia que a do autor.

Enfim, é uma boa leitura de mescla policial com um tipo de terror monstruoso, fácil de ler, fácil de entender, que te introduz nas cenas, mas que em alguns momentos eu achei um pouco tedioso, talvez porque policial não seja o meu gênero literário favorito.

O autor

Scott Carl Sigler nasceu em 30 de dezembro de 1969 em Cheboygan, Michigan, EUA. É autor de diversos outros livros, contos e novelas, sendo considerado um autor contemporâneo do gênero de ficção científica e horror.